Conheça as mulheres que se destacam no cenário científico da UNIFCV
a
TWITTER
b
FACEBOOK
x
INSTAGRAM
r
YOUTUBE

 

Conheça as mulheres que se destacam no cenário científico da UNIFCV

08/03/2019


Conheça as mulheres que se destacam no cenário científico da UNIFCV


Nos últimos 20 anos cresceu a proporção de mulheres que publicam artigos científicos em 11% no Brasil. Segundo a Elsevier, maior editora científica do mundo, agora elas são responsáveis pela metade das publicações no país. A igualdade na distribuição de autoria dos trabalhos científicos não é representada nos cargos de liderança, onde em muitas universidades os chefes de departamento são, em sua maioria, homens.

Felizmente, essa desigualdade observada no Brasil, não se reflete na estrutura organizacional da UNIFCV que é composta em sua maioria por elas. Atualmente, 70% dos colaboradores da Instituição são mulheres, e elas são a maioria também nos cargos de gestão e liderança, além de ter grande representatividade no corpo docente. Mesmo com todos os desafios ao longo da carreira científica, o Centro Universitário aposta na pesquisa e participação das mulheres na ciência.

“Sabemos que o estímulo para pesquisa em instituições privadas são diferentes das públicas, mas noto que a UNIFCV tem buscado diferenciar-se. Temos auxílio para PIIC e desde 2018 a bolsa de iniciação científica para alguns professores”, diz Marcela Favero, doutoranda em Administração e orientadora do PIIC.

No Centro Universitário Cidade Verde, as mulheres já ocupam posição de destaque na área de pesquisa. De acordo com a diretora de graduação presencial, professora Graziela Trojan, a estrutura organizacional da Instituição também é bastante feminina. “Na UNIFCV, somos maioria, desempenhando funções da docência à gestão e, certamente, temos reconhecida a importância do trabalho de todas nós para o desenvolvimento da instituição, agora Centro Universitário. O empoderamento feminino é praticado na UNIFCV, quando nos é permitido a promoção de oportunidades iguais e a contribuição das mulheres, através da educação, no crescimento econômico, social e político da nossa região, estado, país”, explica a diretora.

A professora Juliana Montenegro que é mestre em Educação-Física e orientadora no Programa Institucional de Iniciação Científica (PIIC) iniciou o gosto pela ciência logo na graduação participando de projetos de iniciação científica e pode continuar nesse caminho durante o Mestrado. Ela comenta sobre a presença das mulheres na pesquisa ao longo dos anos. “Se buscarmos referências históricas nesse sentido, vemos que as mulheres sempre desenvolveram pesquisas acadêmicas em diversas áreas, porém, por questões culturais, acredito, o papel delas foi secundário. De uns tempos pra cá a presença das mulheres na ciência tem sido cada vez maior, o que acompanha as conquistas sociais e políticas alcançadas por mulheres ao longo dos tempos”, explica.

Segundo a professora Waldecíria Costa, doutora em Psicologia Social, a voz e os interesses dos homens ainda é mais ouvida. Sobre a conquista das mulheres durante os anos, ela comenta que ainda há um longo caminho a ser percorrido. “A forma de encorajar as meninas para a ciência é continuar trabalhando e se empenhando para o crescimento dos diversos campos científicos”, afirma a professora Waldeciria que também é coordenadora da graduação em Psicologia da UNIFCV.

Como conciliar ciência com os outros afazeres?

No dia Internacional da Mulher, devemos comemorar por todas que são exemplos de força e determinação, mas ainda há muito no que avançar. Segundo a professora Marcela Favero, o maior desafio na carreira é a conciliar a rotina de trabalho, afazeres domésticos, pesquisa e vida social. Essa é uma realidade que muitas mulheres ainda enfrentam, de lidar com a diversidade de tarefas e ainda produzir pesquisas de qualidade. “A maior conquista foi terminar o Mestrado mesmo com 30 horas/aula na Educação Básica, dois filhos pequenos e todos os demais afazeres que uma mulher assume”, afirma a professora Juliana Montenegro.

Segundo a Diretora de Graduação Presencial, Graziela Trojan o caráter construtivo e interpretativo do conhecimento trouxe à sociedade o reconhecimento da igualdade de direitos entre homens e mulheres e permitiu a mulheres, valer - e a ocupar - dos mais diferentes espaços de fala, entre eles, a sala de aula, para construir novos paradigmas sociais, econômicos, culturais.

Sobre o PIIC

A trajetória acadêmica exige muito foco e determinação. Por isso, apostamos nelas que são ótimas profissionais, professoras e pesquisadoras para orientar nossos alunos no Programa Institucional de Iniciação Científica.

A base de toda Instituição é o ensino, a pesquisa e a extensão. Para a professora Marcela Favero, que é orientadora do PIIC desde 2014, é gratificante compartilhar desse interesse com os alunos. Já para a professora Juliana Montenegro “O cenário de crescimento da instituição é favorável ao campo de produção científica e o incentivo é inerente aos valores da UNIFCV, o que, de certa forma, motiva os professores”, explica.

Para saber mais sobre o PIIC, clique aqui. 

Assessoria de Comunicação – UNIFCV


 

 

Compartilhe com seus amigos:

 

Voltar